A institucionalização do espiritismo como religião no Brasil a partir do seu conflito com a psiquiatria

Sanyo Drummond Pires, Paula Groppo

Resumo


O objetivo desse artigo foi analisar o processo de institucionalização do espiritismo no Brasil e a opção por sua institucionalização e busca de legitimidade como religião. Percebeu-se que tal opção foi profundamente marcada pelo embate com a psiquiatria, também em busca de legitimação social à época, no questionamento que essa fazia às concepções e práticas espíritas relacionadas ao tratamento de problemas mentais. A institucionalização enquanto religião forneceu um espaço de reconhecimento social e institucional para o espiritismo, que possibilitou que suas práticas ocorressem protegidas legalmente dos questionamentos médico-psiquiátricos. Nesse contexto, a criação dos hospitais psiquiátricos espíritas foi a forma encontrada para possibilitar expressão da vertente científica do espiritismo, o que estabeleceu uma associação entre saber médico e saber espirita na estruturação dessa vertente no espiritismo no Brasil.

 

 


Palavras-chave


espiritismo; saúde mental; psiquiatria; religião

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.