(Imagens do) corpo do “deficiente”: um estado a ser compensado? Um estudo crítico sobre o Programa Esporte para Portadores de Deficiência e suas contribuições para a formação de professores

Sônia Maria Pellegrini de Azeredo

Resumo


Este trabalho surgiu de um convite feito por um professor de Educação Física da rede municipal de ensino, durante muitos anos voltado para o trabalho com sujeitos portadores de necessidades educativas especiais (SPNEE), para ministrar uma palestra sobre "Relações Familiares" para professores de Educação Física do Programa Esporte Para Pessoas Portadoras de Deficiências  o PEPPD  , um projeto desenvolvido pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, através da Secretaria de Esportes e Lazer e Fundação Rio Esportes, em parceria com o Comando Militar do Leste e a Fundação de Apoio ao Instituto Benjamin Constant, em setembro de 2002. Em maio de 2003, indicada para atuar no mesmo, já como profissional "psi" prestadora de serviços ao referido Programa, pude me valer das conexões existentes entre a Disciplina Pedagogia Terapêutica, com a qual trabalhei, por cinco anos seguidos, no Curso de Psicologia de um Centro Universitário privado, e a de Conhecimentos Didático-Pedagógicos da Educação Especial, para a qual fui solicitada a lecionar, no Curso Normal de um colégio estadual, a partir de 2003. Pretendendo contribuir para o debate contemporâneo sobre "Corpo: psicologia e história", o texto visa a apresentar o processo de discussão que vem ocorrendo no locus da formação de professores de uma escola pública. Objetivando desconstruir certas práticas político-pedagógicas, vem apontar para as necessárias transformações conceituais, bem como institucionais, contribuindo para o fortalecimento dos movimentos sociais no tocante às imagens/formas de visibilidade do corpo dos S.P.N.E.E., em seus diferenciados matizes.


Palavras-chave


corpo do "deficiente"; formação de professores; necessidades educativas especiais

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.