Reflexões sobre as consequências ético-políticas do materialismo de Lucrécio para as ciências

Rodrigo Lages e Silva, Luis Antonio dos Santos Baptista

Resumo


Este artigo aborda  alguns conceitos do materialismo filosófico de Lucrécio, tais como o de “caos laminar”, “caos nuvem” e “clinâmen”, assim como apresentados por Michel Serres, buscando ressaltar as potências não-determinísticas, inventivas ou ficcionais presentes no primeiro materialismo e que foram sobrepujadas no materialismo-dialético por um idealismo tomado de empréstimo do cientificismo do século XIX. Esse resgate de uma visão vitalista do materialismo busca extrair apontamentos éticos, políticos e metodológicos para reverter a sobredeterminação epistêmica dos modos da racionalidade econômica hegemônica calcada na previsão, no controle e na conservação da matéria. Um materialismo, tal qual o de Lucrécio, que não precisa corresponder a leis transcendentes e que é capaz de acolher o incerto e o imprevisível, enseja para o campo da ciência ontologias poiéticas; para o campo da filosofia, epistemologias não representativas e para o campo da política, revoluções do sensível. Em outras palavras, num materialismo que propomos chamar de “ficcional”, ciência, filosofia e política se distinguem, mas não se separam.

 


Palavras-chave


atomismo; materialismo filosófico; ética; ficção; clinamen

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.