“Minha saúde não é de ferro, mas meus nervos são de aço”: A mulher e o uso de drogas na sociedade contemporânea

Gabriela Salomão Alves Pinho

Resumo


O tema abordado neste trabalho surgiu da experiência profissional no NEPAD/UERJ. Inúmeros questionamentos e inquietações acerca do papel das drogas em nossa sociedade foram suscitados, em especial um dado estatístico da instituição: o aumento de 100%, ao longo de dez anos, da proporção de pacientes usuárias de drogas do sexo feminino em atendimento na instituição. Em 1994, a porcentagem era de 11% do total de atendidos; já em 2004, a mesma é de 22%. Assim, o objetivo desse trabalho é estudar o uso de drogas legais/ilegais em nossa sociedade, focalizando principalmente seu uso pelas mulheres. Ao problematizar esta questão – mulheres e drogas –, algumas perguntas se fizeram presentes: que aspectos sociais estariam influenciando o uso de drogas pelo público feminino?; que transformações sociais do papel da mulher poderiam ser associadas a essa evidência estatística obtida no NEPAD? Ao tentar compreendê-los, tornou-se necessário pensar a “reconstrução” da(s) história(s) das mulheres na civilização ocidental, com o objetivo de abordar as mudanças sociais sofridas, desejadas e conquistadas pelo público feminino ao longo dos últimos séculos, e as transformações acerca do papel social da mulher em nossos dias. Buscamos relacionar a pesquisa teórica com as doze entrevistas realizadas como um dos eixos metodológicos da pesquisa. Podemos considerar que além de um provável aumento no número de mulheres fazendo uso de drogas lícitas e ilícitas (como nos apontam os dados do NEPAD), elas têm encontrado facilitadores para buscar ajuda, aumentado, dessa forma, o número de mulheres nos atendimentos especializados.

Palavras-chave


mulher; drogas; sociedade contemporânea

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.