O daemon e a máquina universal: pensando mente e subjetividade para além da interioridade

Carlos Antonio Cardoso Filho, Tania Mara Galli Fonseca

Resumo


A ideia de “máquina universal” foi proposta por Alan Turing em 1936, máquina capaz de computar e executar qualquer máquina computável, vindo a ser tomada como um dos modelos abstratos do computador. Propomos pensar como se dá a constituição da subjetividade em um mundo cada vez mais habitado e mediado por máquinas universais. Abordaremos a noção de daemon, tanto em seu sentido computacional, como programa que é executado sem a intervenção do usuário, quanto em seu sentido grego original, fazendo a sua breve história, para pensar como a máquina universal se compõe com uma cognição estendida ou distribuída, e os problemas políticos e éticos que dai advêm através da problematização da noção de comunicação, nos levando a pensar uma subjetividade descentrada e atravessada por daemons.

 

 


Palavras-chave


daemon; máquina universal; subjetividade

Apontamentos

  • Não há apontamentos.