A canção como dispositivo: transformações/histórias de jovens de favelas cariocas

Martha Bento Lima

Resumo


Este artigo analisa o uso da canção popular brasileira como dispositivo de intervenção no campo da Clínica ético-política e da História Oral. Trabalhamos com grupos de jovens entre 10 a 14 anos em oficinas de composição musical realizadas em duas favelas: a favela da Mangueira e a favela do Morro dos Macacos, situadas na cidade do Rio de Janeiro. Procuramos analisar a canção como uma fonte vigorosa para uma história do tempo presente, podendo evidenciar a reserva/fonte de memória de um grupo em uma época, servindo de resistência ao produzir questionamentos dos modelos hegemônicos com a invenção de mundos diferentes.

 


Palavras-chave


música; clínica-política; jovens de baixa-renda

Apontamentos

  • Não há apontamentos.