Cinema e produção de infância nas relações de consumo contemporâneas

Renata Adriele Ruppel, Paula Marques da Silva

Resumo


Desenvolvemos este estudo com  o objetivo de pensar a produção de subjetividade na infância em  meio às relações de consumo contemporâneas. Adotamos a obra de Michel Foucault como referencial teórico e o cinema como campo analítico. Para as análises, apresentamos duas obras: Pequena Miss Sunshine (2006) e Ninguém Pode Saber (2004). Nestes filmes observamos a presença de um regime de verdade contemporâneo relacionado à lógica neoliberal, que estabelece um modo de governo em relação ao corpo-população infância. Em diálogo com as produções fílmicas,  analisamos como os personagens se reconhecem como sujeitos diante deste regime de saber-poder. Podemos perceber que os personagens instauram narrativas que enunciam os efeitos de endividamento infantil, adoecimento e normatização,  em coexistência com movimentos de resistência, o que nos leva a afirmar a potência dos paradoxos que engendram a produção de sentidos de uma infância que não cessa de compor novos modos de existência.

 

 


Palavras-chave


produção de infância; cinema; consumo.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.