A leitura capturada: reflexões sobre literatura de autoajuda e governamentalidade

Adriana Maria Brandão Penzim

Resumo


Com o intuito de contribuir para que se desvelem, nas práticas de leitura, possíveis interconexões entre produção de verdades, técnicas de si e governo dos outros, postula-se que a chamada “literatura de autoajuda” está intrinsecamente ligada a racionalidades e tecnologias de poder. Em diálogo com Michel Foucault e tomando em referência sua reflexão sobre as artes de governo, tem-se que a prática de leitura de livros de autoajuda compõe o diversificado rol de microprocessos de condução de condutas que, em circulação no mundo contemporâneo, visam à fabricação de estilos de vida. Assim integrada a regimes de saber e poder, a leitura é capturada em sua potência e cumpre uma função política, refletindo com clareza a concepção foucaultiana de que o governo de si se conecta a práticas de governo dos outros na conformação de um ordenamento ético.

 


Palavras-chave


práticas de leitura; governamentalidade; literatura de autoajuda

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.