Inventando estratégias e construindo instrumentos de transformação do sistema prisional

Gilead Marchezi Tavares, Arielle Rocha de Oliveira Silva, Anderson do Prado Corrêa, Keli Lopes Santos, Fabiana Davel Canal, Valeska Campos Tristão, André Mota do Livramento

Resumo


Partindo da ideia de que as práticas dão-se numa constelação de atores dentro do sistema prisional, trazemos neste artigo a realidade cotidiana dos agentes penitenciários por meio de um trabalho realizado com estes profissionais no Complexo Penitenciário de Viana (ES) e na Escola Penitenciária, em Vitória (ES).  Nosso objetivo foi conhecer a percepção dos agentes penitenciários em relação à sua função dentro do Sistema Prisional, as relações que estabelecem, as lutas que travam no seu dia a dia, como pensam a ressocialização, o trabalho, o interno, o presídio, dentre outras. Nos encontros pudemos afirmar a potência das lutas coletivas entendendo o grupo como lugar das multiplicidades, das trocas, das intensidades, da experimentação. Apesar de observarmos com freqüência questões que expressavam a aparente imutabilidade do Sistema, percebemos também ações, falas, gestos, indagações, inquietações, sentimentos que expressam outra forma de ser agente penitenciário, de fazer sistema prisional.

Palavras-chave


sistema prisional; agentes penitenciários; ressocialização

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.